Hildegard Angel - Quando as palavras se comovem.

Ontem para minha honra e surpresa recebi desta mulher, brasileira e cidadã Hildegard Angel, filha de Zuzu Angel e irmã de Stuart Angel,  um convite pelo twitter para ser eu um dos primeiros a ver o vídeo que ela postou no youtube.
Eu deveria escrever muito para expressar aqui o que senti ao ver esse seu lindo e histórico depoimento ao amigo José Dirceu, mas TODAS as palavras emudeceram porque estão comovidas dentro de mim. 
Palavras formam as frases, palavras formam as sentenças... Em mim, como eu, elas estão sem forças... AINDA !!!

VEJAM O VÍDEO VOCÊS TAMBÉM !!!
Passageiros ilustres deste humilde "trem".



Aqui a canção que Chico Buarque escreveu para Zuzu Angel e Stuart Angel, mãe e irmão de Hildegard :



9 comentários:

Sérgio Vianna disse...

Ortodoxo ou Heterodoxo ?

Disse o ministro Ricardo Lewandowski que o julgamento do chamado “mensalão” não é nada ortodoxo.
Logo, pode-se interpretar que o julgamento está sendo heterodoxo.

Não custa nada lembrar o que define o dicionário para essas duas expressões, vejamos:

Ortodoxo: De estrita conformidade com a doutrina; que obedece estritamente à Lei.
Heterodoxo: O que é contrário aos padrões tradicionais; o que contraria os princípios ortodoxos.

O julgamento da ação penal 470 vai fazendo história, para o bem ou para o mal.

Reclama o advogado Hermes Guerrero, que defende o publicitário Ramon Hollerbach, que o fatiamento adotado por Joaquim Barbosa "prolonga a angústia dos réus" e se revelou "cruel e desumano". Explica o advogado que o método "atrapalha a Justiça", na medida em que distancia os argumentos da defesa do momento de manifestação do entendimento de cada Ministro do Supremo.

Decerto, lá se vão mais de trinta dias em que o advogado pode usar uma hora para defender seu cliente. Enquanto que os ministros votam logo após o longo relato de Barbosa condenando os réus, fatiando a condenação em vários capítulos, sem que, contudo, utilize ele os argumentos da defesa, no mais das vezes repetindo à exaustão os argumentos do Procurador Geral da República, e seus próprios, pois que Barbosa vem cumprindo esse papel de retificar e ampliar as acusações do PGR.

Teria sido mais honesto Joaquim Barbosa propor o fatiamento antes do início do julgamento, e uma vez acertado o roteiro ter permitido que antes de cada acusação fatiada pudessem os advogados apresentar suas defesas para cada capítulo. Teríamos então uma defesa se apresentando no momento em que fosse iniciada cada fatia, e assim permitir a apresentação do contraditório de forma clara e precisa, possibilitando a todos os demais ministros avaliarem acusação e defesa numa mesma empreitada.

Do jeito que ficou, é clara a ausência do direito da defesa expor seus argumentos no momento anterior em que se apresenta o voto do relator. O hiato de mais de trinta dias faz a defesa perder força em seus argumentos, já distantes e desconexos com o momento em que os demais ministros, chamados de vogais (exatamente aqueles que não tiveram tanto tempo exclusivo para exame da matéria em julgamento, como tiveram relator e revisor), manifestem seus entendimentos.
Temos assistido a muitos vogais correrem com suas obrigações e votando com o relator, sem muita fundamentação teórica e sem exame vertical de cada fato. Há até uma ministra que inicia seu pronunciamento com o voto condenatório, para depois expor algum argumento de sustentação, muitas vezes usando juízos de valores pessoais, se distanciando do Código Penal e mais ainda, da presunção de inocência e do direito ao contraditório, garantias constitucionais que vão sendo relevadas a plano secundário.

Claro está que o fatiamento é mais uma artimanha utilizada para dar menor valor ao direito de defesa. Caso fosse adotada a sistemática de manifestação da defesa exatamente antes do início do relatório de cada capítulo, os vícios anotados de alguns ministros no primeiro voto seriam combatidos com mais ênfase no segundo capítulo e assim por diante. E mais ainda, o juízo de valor do relator seria contraditado mais vezes pelos absurdos paradigmas que vem adotando. Manifestação do ministro Luiz Fux, por exemplo, - de que a defesa tem que provar a inocência dos réus - seria combatida com a veemência que a aberração constitucional exigiria.

Como se vê, a heterodoxia desse julgamento ainda vai produzir muitos estudos e análises. A presunção de inocência, o direito ao contraditório, as provas e contraprovas constituídas na fase do contraditório, as teses do domínio do fato e do ato de oficio, conceitos que os ministros deveriam reverenciar, vão sendo deformados nas diversas fatias do julgamento.

E você, é ortodoxo ou heterodoxo?

Eraldo Agostin disse...

Enio querido, só para dizer que estou aqui... aos prantos evidentemente.
Abraços, Eraldo.

Maria Luiza Vieira disse...

Enio, quando recebi o video de Angel pelo twitter fui preparada para ver algo de menor intensidade. Mas, a medida que via e ouvia a interpretação de Hildegard, eu senti como se estivesse mesmo em uma citação póstuma. Magnífico texto!Parabéns para a nossa amiga Angel! Torço pelo grande companheiro Dirceu , rezo, faço campanha de conscientização pelas redes sociais, porque, acredite: é verdade que a memoria do povo é curta. Curtissima. Sem falar nos preguiçosos que não se dão ao trabalho de ler história! Abração meu querido! E viva a REDEPT13!!

Anônimo disse...

Concordo que o J. Barbosa é honrado, mas ele está atuando como Procuradorda República que é antes de ser ministro, e como tal, em vez de votar está apresentando uma peça de acusação. Não custa lembrar, esse é papel do MP e não do julgador. Luiz Flávio Gomes foi perfeito: quem acusa não tem isenção para julgar. Se não for assim, teremos um processo inquisitório.

everaldo disse...

...emocionante e verdadeiro o vídeo...um dia o Brasil referenciará seus verdadeiros heróis e mártires, e não apenas aqueles criados por esta elite podre.

fabio libertario disse...

http://redecastorphoto.blogspot.com.br/2012/09/nao-e-nao-nunca-d-hildegard-dirceu-vive.html

everaldo disse...

...petralha é petralha o resto é resto. Moro em Goiãnia, aqui vamos ganhar no primeiro turno. Há dias venho cadastrando número de celulares aí de São Paulo, via classificados de jornais, estou enviando a seguinte mensagem a todos: " Moro aí em São Paulo, estou em Goiânia a trabalho...vota aí por mim no Haddad...é o melhor para nossa cidade...um abraço e obrigado". Acabei de passar uma para o Francisco que se oferecia para trabalhar como pintor. VAMÚ QUI VAMÚ...

everaldo disse...


Boa noite querido Ênio, estamos com você.

Anônimo disse...

Saiu no Nassif

Ayres Brito deve responder pelo racismo no STF?

Os diplomatas Carlos Frederico Bastos da Silva, 45, e Fabrício Prado, 31, ambos negros, foram barrados pela segurança do STF no dia em que o ministro Joaquim Barbosa foi eleito presidente da corte. Só conseguiram entrar autorizados por um superior.

Desconfiados de racismo, os diplomatas pediram explicações ao secretário de segurança institucional do STF, José Fernando Martinez. Leia, na íntegra, a carta dos diplomatas.

http://www.advivo.com.br/blog/luisnassif/ayres-britto-deve-responder-pelo-racismo-no-stf